Agroenergia: as possibilidades e tendências para o setor

Por: bolt
  • Economia energética


O Brasil é referência mundial na produção de agroenergia. O etanol e o biodiesel, por exemplo, são recursos que atraem a atenção do mundo todo por oferecer alternativas econômicas e ecológicas à substituição dos combustíveis fósseis.

Com o avanço da tecnologia e do desenvolvimento de pesquisas, a previsão é de que o Brasil continue liderando o setor agroenergético, também pelos vastos recursos agrícolas disponíveis por aqui.

O que é agroenergia? 

Agroenergia refere-se à energia proveniente de fontes orgânicas de origem não fóssil como lenha, gás natural, etanol e biodiesel, em que a biomassa produzida na fotossíntese é convertida em energia combustível. 

Dentre os biocombustíveis utilizados estão incluídos aqueles com origem nos produtos e nos resíduos da agricultura, nos resíduos de florestas e de indústrias conexas e a fração biodegradável de resíduos industriais e urbanos (lenha, carvão vegetal, álcool etílico ou etanol e biodiesel, entre outros). 

Entra na lista também o biogás (gás metano), com origem na degradação biológica anaeróbia da matéria orgânica contida nos efluentes agropecuários, da agroindústria, ou nos urbanos e ainda nos aterros de resíduos sólidos urbanos. 

Esse cenário abre novos horizontes ao setor agrícola brasileiro com perspectivas de desenvolvimento e de autossuficiência energética devido aos recursos naturais abundantes e à grande disponibilidade de terras agricultáveis.

O biodiesel e o etanol em destaque

O biodiesel tem sido amplamente divulgado no Brasil no contexto do aumento das preocupações gerais para reduzir o aquecimento global e do potencial de produção de bioenergia. 

Em 2006, as refinarias e as distribuidoras foram autorizadas a adicionar 2% de biodiesel ao diesel no país. Em 2008, foi instituída por lei a adição obrigatória de 3%. Hoje, em 2020, esse percentual é de 12%.

Há grande interesse nesse produto pelo mercado externo, que apresenta sinais de demanda aquecida. Por isso, não restam dúvidas de que, no contexto mundial da agroenergia, o biodiesel continuará sendo uma excelente alternativa.

Isso porque o agronegócio brasileiro tem muita terra, radiação solar e água, que são as condições básicas para a produção de matérias-primas a partir das quais se pode fabricar o biodiesel. 

Quanto ao etanol, o Brasil encontra-se em uma posição única no mundo, contando com mais de 40 anos de experiência na tecnologia de produção e na logística de distribuição desse combustível. 

A cana-de-açúcar é uma cultura extremamente eficiente na conversão de energia.

Enquanto com a tecnologia atual se produz de 500 a 1.000L de biodiesel ao ano, usando óleo de soja com cana-de-açúcar se produz 7.000 a 10.000L de etanol por ano, com opção de destinar a colheita para extração de açúcar.

Fonte: Core

O Plano Nacional de Agroenergia

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou, no dia 15 de outubro de 2005, o Plano Nacional de Agroenergia

O plano foi criado com o objetivo de organizar e desenvolver proposta de pesquisa, desenvolvimento, inovação e transferência de tecnologia para garantir sustentabilidade e competitividade às cadeias de agroenergia.

As vantagens para a sociedade

Confira algumas das vantagens para toda a sociedade que também são objetivos do Plano Nacional de Agroenergia:

– Assegurar o aumento da participação de energias renováveis;

– Garantir a interiorização e a regionalização do desenvolvimento;

– Criar oportunidades de expansão de emprego e de geração de renda no âmbito do agronegócio, com mais participação dos pequenos produtores;

– Contribuir para o cumprimento do compromisso brasileiro no Protocolo de Quioto;

– Induzir a criação do mercado internacional de biocombustíveis;

– Otimizar o aproveitamento de áreas resultantes da ação humana sobre a vegetação natural (áreas antropizadas);

– Desenvolver soluções que integrem a geração de agroenergia à eliminação de perigos sanitários ao agronegócio;

Fonte: MAPA

As possibilidades e tendências

A agroenergia aparece como uma das principais iniciativas para combater o aquecimento global, reduzir a emissão de gases de efeito estufa e aumentar a segurança energética bem como a disponibilidade de fontes renováveis de energia.

Através de recursos naturais como a lenha, carvão vegetal, álcool etílico ou etanol e biodiesel, além do biogás, o Brasil conseguirá modificar sua matriz energética de fóssil para renovável, com grande ênfase na energia de biomassa.

Com incentivos e investimentos em pesquisa e desenvolvimento, tecnologia e inovação, o Brasil deverá aumentar a competitividade da indústria e também a sustentabilidade de seus negócios.

E neste cenário, todo mundo sai ganhando: indústrias, empresas e sociedade em geral, com mais opções de fontes de energia renováveis, além de menos poluição e mais qualidade de vida.

Para o futuro, a tendência é que o setor de agroenergia cresça ainda mais com a descoberta de novas matérias-primas para fins energéticos, o que vai ampliar as possibilidades do setor elétrico e do Mercado Livre de Energia.

É isso! Chegamos ao fim deste artigo, esperamos que tenha gostado. Até breve!

Leia também: Economia de energia x eficiência energética: entenda as diferenças


Artigo escrito por bolt

você também vai gostar de ler